o-que-cremos-ipb-cristo-e-vida

O QUE ACREDITAMOS

Nosso sistema de doutrina é a fé reformada, também chamada de calvinismo (porque Calvino foi o expoente mais importante durante a Reforma). Reúne as doutrinas mais significativas ensinadas na Bíblia. Essas doutrinas são expostas na Confissão de Fé de Westminster e nos Catecismos Maior e Menor (com referências bíblicas acompanhantes). Nosso sistema de doutrina é resumido nos parágrafos seguintes.

• A Bíblia, tendo sido inspirada por Deus, é inteiramente confiável e sem erros. Portanto, devemos acreditar e obedecer a seus ensinamentos. A Bíblia é a única fonte de revelação especial para a igreja hoje.

• O único Deus verdadeiro é pessoal, mas além de nossa compreensão. Ele é um espírito invisível, completamente auto-suficiente e ilimitado pelo espaço ou tempo, perfeitamente santo e justo, e amoroso e misericordioso. Na unidade da divindade existem três “pessoas”: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

• Deus criou os céus e a terra e tudo o que eles contêm. Ele os sustenta e governa de acordo com sua vontade eterna. Deus é soberano (no controle total), mas isso não diminui a responsabilidade humana.

• Por causa do pecado do primeiro homem, Adão, toda a humanidade é corrupta por natureza, morta em pecado e sujeita à ira de Deus. Mas Deus determinou, por um pacto de graça, que os pecadores podem receber perdão e vida eterna através da fé em Jesus Cristo. Fé em Cristo sempre foi o único caminho de salvação, tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento.

• O Filho de Deus tomou sobre si uma natureza humana no seio da virgem Maria, de modo que em seu filho Jesus as naturezas divina e humana estavam unidas em uma só pessoa. Jesus Cristo viveu uma vida sem pecado e morreu na cruz, levando os pecados e recebendo a ira de Deus para todos aqueles que confiam nele para a salvação (seus escolhidos). Ele ressuscitou dos mortos e subiu ao céu, onde ele se senta como Senhor e governa o seu reino (a igreja). Ele voltará para julgar os vivos e os mortos, trazendo seu povo (com corpos gloriosos e ressuscitados) para a vida eterna, e consignando os ímpios ao castigo eterno.

• Aqueles a quem Deus predestinou para a vida são efetivamente atraídos a Cristo pelo trabalho interior do Espírito ao ouvirem o evangelho. Quando eles crêem em Cristo, Deus os declara justos (justifica-os), perdoando seus pecados e aceitando-os como justos, não por causa de qualquer justiça própria, mas imputando os méritos de Cristo a eles. Eles são adotados como filhos de Deus e resididos pelo Espírito Santo, que os santifica, permitindo que eles parem de pecar e agir com retidão. Eles se arrependem de seus pecados (tanto na sua conversão como posteriormente), produzem boas obras como fruto de sua fé e perseveram até o fim em comunhão com Cristo, com a garantia de sua salvação.

• Os crentes se esforçam para manter a lei moral de Deus, que é resumida nos Dez Mandamentos, não para ganhar a salvação, mas porque eles amam seu Salvador e querem obedecê-lo. Deus é o Senhor da consciência, de modo que os homens não são obrigados a acreditar ou fazer algo contrário ou além da Palavra de Deus em questões de fé ou adoração.

• Cristo estabeleceu sua igreja e igrejas particulares para reunir e aperfeiçoar seu povo, por meio do ministério da Palavra, os sacramentos do batismo (que deve ser administrado aos filhos dos crentes, bem como dos crentes) e do Senhor. A ceia (na qual o corpo e o sangue de Cristo estão espiritualmente presentes à fé dos crentes), e o disciplinamento dos membros considerou delinqüente na doutrina ou na vida. Os cristãos se reúnem no Dia do Senhor para adorar a Deus orando, ouvindo a Palavra de Deus, lendo e pregando, cantando salmos e hinos e recebendo os sacramentos.